Sadomasoquismo

Sadomasoquismo

  admin  

 (452)    (1)    0

  My Infinity Pleasure

Para os praticantes do Sadomasoquismo, as linhas que dividem a dor e o prazer são muito tênues. Diversos casais procuram opções diferentes do senso comum e acabam por escolher pela flagelação em troca de satisfação sexual. Roupas de couro, ambiente noturno, chicotes. Vale tudo. Vamos tentar desvendar os segredos que cercam os aficionados por sadomasoquismo.

Primeiro é bom deixar claro que a dor provocada por sessões de sadomasoquismo são de nível baixo, quase nulo. Em geral, a humilhação verbal ou até mesmo a amarração - chamada de Bondage ou BDSM, um tipo específico de Sadomasoquismo - são mais procurados pelos amantes da dor que proporciona prazer.

Resultado de imagem para Os segredos do sadomasoquismo

As regras do sadomasoquismo são claras. O dominador(a) comanda as sessões e impõe respeito através de chicotadas e agressões verbais. A ideia é elevar o nível do parceiro(a) ao mesmo patamar do dominador(a) através desses atos. O papel do dominado(a) é exatamente o oposto: ser submisso e aceitar todas as ordens de forma passiva, sem questionamentos. Às vezes rolam uns tapinhas, claro.

Shibari, bondage, spanking, facesitting, asfixia erótica, afogamento e inversão são só alguns dos termos e situações que os fãs de sadomasoquismo mais gostam de usar em suas práticas sexuais. 

O sadomasoquismo é uma prática que tem vocabulário próprio e seus praticantes fazem questão de se diferenciar do restante das pessoas, usando os termos e acessórios exclusivos dessa modalidade sexual, abusando do poder, da sensualidade, da submissão e, às vezes, até mesmo da força.

Com roupas de couro e produtos eróticos, que variam entre espartilhos, chicotes, algemas, vendas e coleiras, os sados, como carinhosamente são chamados, explicam que o sadomasoquismo não é apenas violência na hora do sexo ou das preliminares, mas uma questão de privação dos sentidos para estimular outros.

BDSM: uma mulher submissa

Entre as práticas mais comuns do sadomasoquismo estão:

Shibari ou bondage: são duas técnicas de amarração com o maior número de amantes dentro do sadomasoquismo. O objetivo é imobilizar o parceiro, para que ele seja dominado. O shibari deixa a marca das cordas pelo corpo. Já o bondage apenas impede que o parceiro se movimente, facilitando ainda mais sua dominação.

Bukkake: é a prática extrema de dominação e submissão, onde a mulher fica amarrada de joelhos enquanto o seu parceiro (ou os parceiros) ejacula em seu rosto.

Spaking: é o ato de bater, tanto com as mãos, chicote, vara, chinelo ou palmatória, durante a relação sexual, mas sempre com o consentimento de quem irá “apanhar”.

Se você pretende apimentar a sua relação, lembre-se que é imprescindível a conscientização do seu parceiro, pois as sessões de sadomasoquismo exigem certa formalização do ambiente, com o uso de figurinos e acessórios ideais para a prática. E, se apenas um dos dois ficar mais entusiasmado com a novidade, um grande desentendimento pode acabar acontecendo, causando uma enorme fissura na vida sexual do casal.

Imagem relacionada

 (452)    (1)    0

Seu comentário foi enviado com sucesso. Obrigado por comentário!
Deixe um comentário
Você não pode postar um comentário porque você não está logado como cliente

Comentários do Facebook